11 março 2016

FEITIÇO

Feitiço é o segundo livro de um box de contos de fadas para adultos, eu comprei no Submarino em novembro do ano passado na black Friday, paguei baratinho, baratinho... haha, o box vem com três livros e custou menos de R$15,00. 




Quem escreve é a Sarah Pinborough, foi traduzido por Edmundo Barreiros em 223 páginas e publicado pela editora ÚNICA


Quem acompanha as minhas redes sociais sabe o quanto eu amo contos de fadas e o quanto gosto de me esconder dentro deles, sempre que algo ruim acontece e que estou com sentimentos negativos, apelo para uma história de princesa com final feliz para sempre, seja em livro ou filme. 

Quando vi a proposta do livro achei demais, contos de fadas para adultos, eu não precisaria mais ter vergoinha de aos 24 anos amar tanto essas histórias, só que foi um verdadeiro tapa na minha cara, um choque de realidade. 

Juro que vou fazer o menos de spoiler possível, porque isso é muito chato e eu detesto, todas as informações que eu der aqui não vão tirar a emoção da sua leitura. 

É muito diferente da história dos irmãos Grimm, quando me disseram conto de fadas para adultos, imaginei menos magia e mais realidade, mas a realidade veio acompanhada de muita magia, de repente descobri que a história é praticamente a mesma, só que contada de outro ângulo.  

Normalmente ouvimos as pessoas contarem histórias da própria vida, e quem é que fala mal de si mesmo? quem é que se considera a bruxa má? Na nossa perspectiva sempre somos as vítimas, então, que tal se com a Cinderela fosse a mesma coisa? E se ela não fosse tão boazinha e inocente assim? E se suas irmãs e madrastas quisessem o seu bem, mas ela cega não aceitava? E se mentiram para ela? Se sua mãe não morreu quando era pequena e sim fugiu com outro homem porque é uma bêbada? E se o pai de Cinderela e sua madrasta realmente se amassem? 

Nossa, só de perguntar tanto eu fico com medo, eu já sei as respostas, mas você já deve imagina-las também. 

Em Feitiço, apenas uma irmã ainda mora na casa, a outra já se casou com um conde e pouco aparece, o pai da Cinderela aparece como o mesmo homem frágil, só que na história toda, Cinderela almeja a riqueza e pasmem: tem cenas quentes e não apenas com o príncipe, literalmente uma criança não deve ler essa história. 

Logo no início tem uma cena que ao começar ler eu tive que voltar, achei que minha mente era poluída demais e estava entendendo tudo errado, mas não, era aquilo mesmo, com o linguajar mais baixo possível, não é uma crítica, só estou te preparando, para não se surpreender assim como eu e para não deixar sua filha de 9 anos ler. Eu só acho que devia ter um aviso em algum lugar, até ler, não via mal nenhum em emprestar esse livro pra quem quisesse. 

A fada madrinha também não é nem um pouco como pensamos, isso não é dito na história, mas eu enxerguei ela como um demônio da encruzilhada que faz pactos, sim ela não da um vestido incrível, uma carruagem e sapatinhos mágicos de graça, ela quer algo importante em troca, algo que faz ligação com outro conto de fadas famoso. 

A história não acaba depois do casamento com um "felizes para sempre", na verdade é aí que essa história começa de verdade, mostrando que o amor é muito puro e tem que ser sentido de forma genuína, um sentimento tão puro que nem a magia é capaz de despertá-lo eternamente, e sabe de uma coisa? Quando eu li isso eu fiquei pensando que eu não queria que ninguém se apaixonasse por mim por causa de mágica, só aceitaria amor se fosse verdadeiro, como será que a Cinderela conviveu com isso para sempre na história original? 

A história propõe uma verdade, ninguém é tão boazinha, ou só muito mal, todo mundo tem um poco de Cinderela, de madrasta, das irmãs, príncipe, rei.... ninguém é uma coisa só, o ser humano é complexo demais para ser uma coisa tão simples como os irmãos Grimm quiseram nos presentear.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

.