21 agosto 2017

ME SINTO PRIVILEGIADA

Muitos sentiram pena de mim, teve um momento que até eu mesmo senti pena de mim, mas foi depois que eu acordei do meu estado paralítico que notei o que havia realmente acontecido. 

Eu fui presenteada com uma bela história, um amor desses não existe e eu pude vive-lo por anos, o conto de fadas das histórias infantis pra mim era real. 

Eu tinha um cara que não existia, o cara que me surpreendia diaramente, que chegava de repente, me dava flores sem motivo, realizava meus sonhos antes mesmo de verbalizar o que eu sonhava. Eu tinha carinho, atenção, amor, dedicação. 

Acabou? Sim, e daí? Eu pude viver, muitos irão morrer sem nem ter experimentado o verdadeiro amor. 

De repente eu noto que meu sofrimento e minha luta para conseguir perdoa-lo é em vão, pois eu não tenho que perdoar, eu tenho que agradecer por ter me proporcionado momentos incríveis que até o dia da minha morte ficarão guardados na parte bloqueada do meu cérebro, a parte que bloqueou memórias depois do trauma do término, mas de alguma forma estão lá. 

Eu não quero mais pensar em você, eu não penso mais em você, mas obrigada por ter me permitido acreditar no amor por tanto tempo, obrigada por me dar motivação para escrever, você sabe que eu adoro escrever. 

Mas se eu realmente tivesse que perdoar algo, não seria por você ter me deixado ou por ter me trocado por alguém tão próximo (sim, seria mais fácil se fosse uma desconhecida, ela escaparia dos meus julgamentos forçados, não quero julgá-la, porém, é inevitável). O mais difícil de perdoar foi o roubo dos meus sonhos, você roubou meu casamento, roubou meu bebê que eu tanto queria sem nem ao menos existir, me fez acreditar que era o que queria também, fez planos, você escreveu nosso "Plano imbatível", lembra?

Eu não o culpo, não mais, e se eu pudesse voltar no tempo a mudança que eu faria não seria que você fosse o pai do meu bebê, mas sim, te tiraria muito antes da minha vida, para que eu pudesse realizar meus sonhos independente de você, acredito que agora seja tarde, meus sonhos mudaram.

E se você ler esse conto, e eu sei que você vai, saiba que não guardo mágua nenhuma, saiba que no meu peito não cabe lugar nenhum para o ódio ou rancor, saiba que eu estou em PAZ. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

.